Lamentável! São Luís faz 405 anos sem termos quase nada o que comemorar

São Luís faz 405 anos com ares de cidade grande, com uma população que ultrapassa a casa de 1 milhão de habitantes e, infelizmente, é administrada ainda como uma cidade pequena e provinciana. Temos uma câmara municipal “chefiada” por um parlamentar que se coloca nitidamente contra o avanço, contra a transparência e mais dolorido, contra as principais atribuições  do cargo de vereador, que seriam fiscalizar e legislar em favor da população. Ao invés disso, utiliza-se aberta e claramente, de mecanismos que desencadeiam mal uso do erário através de associações e institutos fantasmas ou muito suspeitos, que de certo só tem um propósito: limpar desmedidamente os cofres públicos.

img_1676

Enquanto isso vemos uma administração letárgica, acovardada e sem motivação e criatividade para dar pelo menos a sensação de avançamos para algum lugar. Na verdade, o sentimento que está estampado no rosto de cada cidadão ludovicense  é de que caminhamos em círculo, sem avanços, sem desenvolvimento… sem orgulho de nada. Nossas comemorações resumem-se sempre as mesmas coisas… promessas!

Nesse feriadão pude constatar como nossa cidade está jogada às traças. Ninguém quer ficar em São Luís, pior ainda, ninguém quer vir pra São Luís. Não que nossa cidade tenha perdido os seus encantos, mas sim porque nossos poderes legislativo, que não fiscaliza nem cobra,  e executivo, que nada executa, perderam a noção de suas funções.

Como queria comemorar os 405 anos de São Luís contemplando um sistema de transporte que atendesse a população ao invés de empresários, que certamente estão cobrado a fatura. Os ônibus, como nossas ruas, são apenas maquiagem pra fazer propaganda, e depois que a banda passa, tudo volta a triste realidade, nem paradas dignas os cidadãos têm, pois ficam se protegendo do sol escaldante atrás de postes ou bancas de revistas.

coletivoshorizon

Nunca, nesses 405 anos, a saúde de São Luis esteve tão debilitada, nem mesmo marcar consultas para atendimento tem sido tarefa fácil para nossa gente sofrida. É de causar dor, ver um cidadão penar atrás de um tratamento minimamente digno, sobretudo quando vemos dinheiro a rodo financiando arraial privado, procissão de orixás, projetos de associações ligadas a vereadores e que nunca saíram do papel, carnaval que ninguém sabe onde foi parar o dinheiro, pois nem os vencedores receberam suas premiações até hoje, além de milhares de cargos criados para atender a aliados e que nada produzem para a cidade e seus cidadãos.

fila-foto.jpg

Na cidade considerada a “Atenas brasileira” por ser onde melhor se escrevia e falava o português, o que vemos são escolas públicas sucateadas, greves constantes de professores mal remunerados e sem valorização, alunos, pobre alunos, que sofrem por falta de transporte escolar, merenda e principalmente a falta do mais importante produto, uma educação de qualidade. Pasmem, mas existem alunos  que, em pleno mês de setembro, ainda estão sem estudar.

professores-sao-luis-em-greve-940x540

Enfim, falar das mazelas de nossa cidade me deixaria dias a frente desse teclado, mas vou deixar claro que esse quadro vai mudar um dia, não nessa administração que vive uma situação de involução, com desmandos em todas as áreas e um prefeito acuado pelo apetite inesgotável e inabalável do legislativo na busca do auto favorecimento. Triste daqueles que se opõem ao comando da casa. Ali jaz um legislativo que esqueceu por completo  seu papel fundamental de fiscalizador, principalmente quando ele próprio deveria ser o fiscalizado. Mas acredito que essa mudança vem do povo ludovicense, que é alegre e feliz apesar de, que é trabalhador e guerreiro apesar de, e que apesar de eles não se envergonharem de tanta maldade e falta de urbanidade no tratamento da coisa  pública, nós nos envergonhamos.

Parabéns São Luís, apesar de.

2 comentários em Lamentável! São Luís faz 405 anos sem termos quase nada o que comemorar

  1. Lamentavel mesmo!!!E eles não estão nem aí pra nós!!

  2. O transporte público nunca foi tão bom em todas as gestões, como essa.

Deixe uma resposta