Raiar de dias melhores

*Artigo de José Sarney

Depois de longo período de pessimismo, todos nós, uns mais, outros menos, vivendo entre o medo e a solidão, entre o mistério e a angústia, sem saber o que aconteceria não somente com nossas pessoas e famílias, mas também com o mundo, surge, embora de maneira tênue, um primeiro raio de esperança, com a possibilidade de entrarmos num período que todos esperávamos há tanto tempo: o início do processo de se imunizar a população e afastar o temor de se ser vítima de uma doença que surgiu como um mistério, que ninguém sabia o que era exatamente, quais suas consequências, até onde ela podia chegar e se a Humanidade estava numa ameaça que podia a levar a sua destruição total, ou ao menos a impor uma nova e diferente forma de viver em sociedade.

A primeira adaptação, a do relacionamento. Não se conhecia outro método de prevenção senão o isolamento, que por sua vez nos obrigava a não ter contato com as pessoas, inclusive as mais próximas, as mais ligadas pela amizade e pelo carinho. Usar máscara, tirar o prazer de ver os rostos queridos, lavar as mãos, excluir cumprimentos e evitar qualquer contato de grupo.

Por outro lado, todos sentimos o impacto sobre a economia, com a perda de empregos, de trabalhos, o fechamento das lojas, dos mercados e a disseminação do receio da contaminação.

O desconhecimento de quaisquer formas de tratamento fez com que estas fossem sendo descobertas à custa de muitas vidas, ao lado dos fantasmas dos medicamentos promovidos como eficazes sem respaldo científico e em total descompromisso com suas consequências e seus efeitos colaterais.

Acompanhamos o esforço gigantesco das autoridades sanitárias para enfrentar os perigos e a perda de tantas vidas de profissionais de saúde, verdadeiros heróis, que desafiaram — e desafiam — a morte e deram o máximo de solidariedade e conforto aos doentes e a seus entes queridos, no sofrimento da espera e do desconhecido. Continuamos a viver nesse clima, mas até agora não chegava a nós, concretamente, qualquer forma de enfrentamento deste mal.

Nos resgata a ciência e a determinação do homem em colocar o seu saber a serviço do próximo e de todos os povos. Nunca houve um esforço científico da magnitude do que foi feito para encontrarmos os caminhos de salvação.

Enquanto isso, paralelamente, assistíamos à disputa desumana de grupos econômicos, pensando nos lucros que adviriam a quem encontrasse sucesso em suas pesquisas, e até de países pensando em geopolíticas. Nada de pensar na Humanidade, no sofrimento, na morte dos atingidos e sim nas oportunidades que a miséria podia gerar.

Depois da escuridão, da longa angústia e do sofrimento, surge um raio de luz com o anúncio de que já no início do próximo ano haverá alternativas de vacinação para proteger a humanidade. Estamos mais uma vez num ponto de inflexão — aqui mesmo o País cresceu 7,7% no último mês, aquém do que era esperado, mas nos dando um sinal de que em algum momento vamos retomar nosso crescimento — e sentimos a esperança voltar ao mundo, no que para nós é o caminho cristão, marcado pelo Natal do Menino Jesus. Que, com Ele, não nos faltem a fé e a esperança.

*Publicado na Página do Sarney do ISESPE em 06/12/2020

Deixe uma resposta